skip to Main Content

Brevíssimo comentário sobre Da botânica e gênese de um elegante chipanzé de dedos longos

Publicado em: Brevíssimo comentário sobre Da botânica e gênese de um elegante chipanzé de dedos longos

O mais recente livro de poemas de Leonel Delana Júnior, Da botânica e gênese de um elegante chipanzé de dedos longos (Patuá, 2023), é de uma poesia sutil, que me fez lembrar de “algo me diz para ser sutil”.

As imagens poéticas e a composição dos poemas me sugeriram entrar devagar, aos poucos e com cuidado.

O nome do livro poderia inclinar o pensamento ao selvagem, à fera, no limite para uma poesia feroz, incivilizada, ancestral.

Que nada!

Poesia toda permeada de delicadezas, de tristezas, de melancolias e de construção.

Muitos dos poemas se constroem visualmente, próximos a tendências concretas, concretistas, semióticas.

Devo dizer que prefiro os poemas assentados no verbo, poemas não necessariamente visuais, poemas cujo código verbal é o centro e não a explosão do verso, ou a multiplicação dele em combinações variadas, para não dizer infinitas.

De todo modo, li os poemas de Da botânica e gênese de um elegante chipanzé de dedos longos em chave brevitas, lacunar, às vezes, poemas elípticos, sintéticos, condensados. Não os penso como sentenciosos, epifonemáticos, mas há frases que beiram às máximas.

Os textos se espalham na mancha da edição como ramas, ramagens, mesmo sendo poemas-animal e de dedos longos. São poemas sob a marca do rizoma. Ou seja, possuem direções movediças, ficam sempre no meio, podem ter várias entradas e saídas. A qualquer momento o significado deles pulam, como chipanzé, ramificações, agenciamentos, que podem ser instaurados no momento da leitura.

São poemas críticos, de tom levemente político. Digo levemente para contrapor ao que se poderia dizer (e esperar) ostensivamente político.

“Algo me diz para ser sutil”. É a sutileza política presente nos textos do livro mais recente de Leonel Delana Júnior.

Surpreendente, e aí penso que o chipanzé surge da mata, ou é desengaiolado, abre as grades e mostra os dentes, é haver no miolo do livro um “livro vivo”, um prefácio-posfácio, não prefácio, não posfácio.

Os poemas Da botânica e gênese de um elegante chipanzé de dedos longos me levaram ao término da leitura, como diálogo, a escrever um poema, que dedico ao autor do chipanzé, ainda que macaco vegetal, botânico e de gênese animal apenas como metáfora.

Talvez, e aí arrisco totalmente, o chipanzé seja o animal que Leonel Delana Júnior logo é.

Para finalizar, eis o poema motivado pela leitura de Da botânica e gênese de um elegante chipanzé de dedos longos:

 

Frente à realidade

ainda que realidade

seja aquilo que se

desenha

de passagem

de ar a

estreitar-se

as sobrancelhas

crescem

as orelhas

crescem

e na lista do pôr

as coisas em dia

acumulam-se

não apenas os anos

dedos longos dos macacos

os abraços

antes das pelejas

Frente à realidade

mesmo realidade forjada

a filosofia é pouca

A pintura evidencia-se

às vistas

a respiração ventila

 

 

 


Créditos na imagem: Capa do livro da botânica e gênese de um elegante chimpanzé de dedos longos. Disponível em: https://www.editorapatua.com.br/da-botanica-e-genese-de-um-elegante-chimpanze-de-dedos-longos–poemas-de-leonel-delalana-junior

 

 

 

SOBRE O AUTOR

Eduardo Sinkevisque

Eduardo Sinkevisque é doutor em Letras: Literatura Brasileira (FFLCH/USP). É sócio-fundador da Sociedade Brasileira de Retórica. Publicou o e-book Mar dos Dias (Árvore Digital, 2018). Publicou o livro Tratado Político (1715) de Sebastião da Rocha Pita – Estudo Introdutório, transcrição, índices, notas e estabelecimento do texto por Eduardo Sinkevisque (EDUSP, 2014). Foi pesquisador Residente na Fundação Biblioteca Nacional, cuja pesquisa foi em diários. Eduardo publica textos em seu blog, o blogmenos (www.blogmenos.tumblr.com) e colabora em várias revistas acadêmicas e literárias. Trabalha em consultoria de texto e de pesquisa na área de Humanas. Para contactá-lo: instagram @dudasinke e email esinkevisque@hotmail.com.

Back To Top