Skip to content

Conversa de Inverno do GT-BES reúne 100 participantes em discussão sobre Inovação nas Bibliotecas do Ensino Superior

Publicado em: Conversa de Inverno do GT-BES reúne 100 participantes em discussão sobre Inovação nas Bibliotecas do Ensino Superior

conversaInvernoBanner

No passado dia 29 de Fevereiro, o Grupo de Trabalho das Bibliotecas do Ensino Superior (GT-BES) organizou a Conversa de Inverno, em formato online – “Bibliotecas como parceiros (im)prováveis no Ensino Superior: inovar na prática e oferecer serviços diferenciados” – encerrando assim a primeira edição do ciclo de conversas sazonais, sob o mote “As Bibliotecas como HUBs Confiáveis”. Com o intuito de promover o diálogo e a partilha de experiências, esta iniciativa tem conquistado cada vez mais adesão, contando desta vez com a presença de 100 participantes.

A sessão centrou-se na exploração de práticas inovadoras nas Bibliotecas do Ensino Superior (BES) e na oferta de serviços diferenciados e de valor acrescentado. Foram abordadas as formas como as Bibliotecas se relacionam com os utilizadores, visando estabelecer uma compreensão mútua enquanto parceiras nas atividades de investigação e ensino, contando com a partilha de testemunhos da própria comunidade.

Nuno Portela, da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, apresentou o projeto “Barulho? Avise-nos!”, uma ferramenta criada para solucionar o problema do ruído nas salas de leitura da Biblioteca. Este projeto, iniciado em 2017, visa facilitar a comunicação entre utilizadores e staff da biblioteca, promovendo a auto-regulação do ambiente de estudo.

Licínia Santos, da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, partilhou a experiência da utilização do Affluences para gestão de utilizadores e disponibilização de serviços. Destacou-se o papel crucial desta ferramenta durante a pandemia, permitindo um controloeeficiente das entradas na biblioteca e a reserva de serviços essenciais para os utilizadores.

Pedro Príncipe, da Universidade do Minho, apresentou o projeto PortAberta e a ferramenta OpenDMP.PortAberta para a gestão de dados de investigação e que resulta de uma colaboração entre a Universidade do Minho e o Instituto Politécnico de Bragança. Esta plataforma oferece modelos flexíveis para a criação de Planos de Gestão de Dados (PGD), facilitando a conformidade com os requisitos dos financiadores, possibilitando a integração com identificadores persistentes e promovendo a partilha colaborativa dos PGD.

Por fim, Dulce Correia, da FCT-FCCN, destacou a importância da plataforma NAU para a educação e formação online aberta e como esta representa uma oportunidade para as Bibliotecas se posicionarem de forma estratégica junto das suas comunidades. Esta plataforma, que tem vindo a crescer desde 2019, oferece uma variedade de cursos de reconhecida qualidade, enriquecendo a comunidade académica e promovendo a partilha de conhecimento.

Após a partilha de boas práticas, seguiu-se um momento de reflexão sobre documentos estratégicos para as BES. Destacou-se a Estratégia da LIBER 2023-2027, que identifica os fatores essenciais para posicionar as Bibliotecas como líderes na oferta de serviços de vanguarda centrados no utilizador e impulsionados pela tecnologia. A palavra-chave “envolvimento” (em inglês engagement) foi destacada como crucial nesse contexto. Além disso, foram abordados os desenvolvimentos tecnológicos, intrinsecamente ligados às possibilidades oferecidas pela Inteligência Artificial, que promovem a diversidade de serviços, com equilíbrio entre os presenciais e os remotos. A importância dos espaços de habitabilidade das BES, serviços customizados e personalizados, bem como aqueles que promovem o bem-estar físico e psicológico, foi ressaltada durante as discussões.

Durante o debate que se seguiu, foram identificados diversos desafios enfrentados pelas bibliotecas, como a falta de investimento em recursos, nomeadamente humanos e informáticos, e a necessidade de aumentar a visibilidade junto da sua comunidade. Estes tópicos alinharam-se com as conversas sazonais anteriores, onde se discutiu a importância da comunicação estratégica junto dos utilizadores e as diferentes estratégias adotadas pelas bibliotecas portuguesas de ensino superior para enfrentar tais desafios, em linha com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

A participação ativa dos presentes e a diversidade de perspectivas partilhadas demonstram a relevância e pertinência do tema abordado, reforçando o compromisso das BES em promover a inovação e a excelência na prestação de serviços.

Com uma participação vibrante e uma troca de ideias inspiradora, o ciclo de conversas sazonais do GT-BES conclui assim a sua primeira edição, reforçando o papel das BES como verdadeiros HUBs confiáveis de conhecimento e excelência. Para saber mais sobre as iniciativas do GT-BES e futuros eventos, fique atento às nossas próximas comunicações!

Back To Top