skip to Main Content

Dona Oscarina | HH Magazine

Publicado em: Dona Oscarina | HH Magazine

Dona Oscarina apertava a bochecha da gente quando nos cumprimentava. A gente encontrava Dona Oscarina todo domingo logo após a missa.

Dona Oscarina não era magra. Não era esbelta. Era alta, gorda. Cheia de carnes, cheia de mãos, cheia de dedos. Ela nos apertava. Nos amassava.

Dona Oscarina era dona de uma barraca em que vendia pastéis, salgadinhos, frituras.

Lembro-me dessas missas de domingo na infância, primeiro porque em família, até certa idade minha (ao menos), guardávamos dia santo. E tinha roupa, inclusive, para usar nessas ocasiões.

Lembro-me porque, tendo já feito primeira comunhão, tinha que ir à missa em jejum para poder comungar. Tinha sempre os pecados em dia. Tanto os praticados, os pensados, quanto os perdoados à base de Aves Marias e Pais Nossos.

Importante mesmo era o pastel de Dona Oscarina. Lembro-me dele tanto quanto das apertadas na bochecha que levava antes de comer o quitute. Inesquecível o recheio de carne com ovo cozido esmigalhado. Inesquecível o pastel dela, uma fritura seca, nada gordurosa.

Esse sabor nunca mais encontrei em pastel nenhum comido.

Nenhuma criança gosta de apertões nas bochechas. De pastel não conheço uma que não goste.

O pior dos apertões de Dona Oscarina é que vinham acompanhados de um balanço para a direita e para a esquerda em intensidade relativamente forte e velocidade constante.

Mas, valia a pena pelo pastel do depois. Eu tinha fome, pelo jejum. Alimentado pelo corpo de Cristo, alimentada a alma, faltava-me mais sustança física.

Dona Oscarina estava lá, ao lado da entrada da igreja de Nossa Senhora da Salete, para garantir isso. E era a melhor hora do domingo. Eu me programava para receber apertões nas bochechas e para comer pastel de carne da Dona Oscarina. Eu esperava por isso. Eu era magro, mirrado, pequeno. Eu era menino.

Hoje, não sei se é o gosto do pastel ou os apertões de Dona Oscarina o que mais me lembro. Hoje, eu li que a ciência explica Dona Oscarina. Não a ciência culinária. A ciência do afeto. Hoje, li que o cérebro faz com que apertemos quem amamos muito. Hoje, li que Dona Oscarina era assim uma espécie de Felícia. E entendi que eu era amado, amadíssimo.

Dona Oscarina amava a gente, os meninos. Para equilibrar suas emoções, seu afeto, apertava a nossa bochecha.

Os apertões eram gratuitos. Os pastéis ela os vendia, mas não deixavam de ser um modo generoso também de nos amar.

Eu era amado por apertões e pastéis quando era menino e ia à missa todos os domingos. Hoje, eu entendo isso, embora tenda a concordar com o poeta quando canta que o amor é feito um abraço curto pra não sufocar.

 

 

 


Crédito na imagem: Matriz Paroquial Nossa Senhora Da Salette. In: ARQUIDIOCESE DE SÃO PAULO. Disponível em: https://arquisp.org.br/regiaosantana/paroquias/paroquia-nossa-senhora-da-salette/matriz-paroquial-nossa-senhora-da-salette

 

 

 

SOBRE O AUTOR

Eduardo Sinkevisque

Eduardo Sinkevisque é doutor em Letras: Literatura Brasileira (FFLCH/USP). É sócio-fundador da Sociedade Brasileira de Retórica. Publicou o e-book Mar dos Dias (Árvore Digital, 2018). Publicou o livro Tratado Político (1715) de Sebastião da Rocha Pita – Estudo Introdutório, transcrição, índices, notas e estabelecimento do texto por Eduardo Sinkevisque (EDUSP, 2014). Foi pesquisador Residente na Fundação Biblioteca Nacional, cuja pesquisa foi em diários. Eduardo publica textos em seu blog, o blogmenos (www.blogmenos.tumblr.com) e colabora em várias revistas acadêmicas e literárias. Trabalha em consultoria de texto e de pesquisa na área de Humanas. Para contactá-lo: instagram @dudasinke e email esinkevisque@hotmail.com.

Fonte: Dona Oscarina | HH Magazine
Feed: HH Magazine
Url: hhmagazine.com.br
Back To Top