skip to Main Content

Em tempos de pandemia, cortes na ciência são ameaça ainda maior ao povo brasileiro

Em Tempos De Pandemia, Cortes Na Ciência São Ameaça Ainda Maior Ao Povo Brasileiro

A pandemia do coronavírus (covid-19), desde que foi diagnosticada pela primeira vez em dezembro de 2019, oficialmente já matou mais de 16.000 pessoas ao redor do globo, trouxe bilhões de dólares de prejuízo para a economia dos países (ambos os números continuam aumentando), sendo a mais grave crise que o planeta enfrenta desde a 2ª Grande Guerra.  Diante de um cenário obscuro como esse, um país deve ser capaz de responder rapidamente a eventos que colocam em risco a vida de sua população. E em tempos de crise, é a ciência que acaba trazendo luz para as respostas mais obscuras. Hoje, a ciência é a principal esperança contra o covid-19 e tem sido assim há séculos, inclusive no Brasil.

Em 2014, por exemplo, o vírus da zika entrou no nosso país, possivelmente durante a Copa do Mundo. Sua silenciosa proliferação só foi percebida em abril de 2015, com o primeiro surto sendo confirmado em Salvador. No mesmo ano também se iniciou um surto de casos de microcefalia em crianças recém-nascidas, que saltou de centenas de casos para milhares em 2016. A situação só não foi pior porque cientistas brasileiros associaram o vírus da zika à má formação do cérebro dos recém-nascidos. Sem essa conexão, o surto de microcefalia teria continuado e aumentado, tornando-se um gravíssimo problema de saúde pública. O vírus da zika já era conhecido desde 1947, mas até então, ele era considerado apenas um parente mais brando do vírus da dengue.

Quando a epidemia do zika começou no Brasil, em 2014, os cortes de recursos na ciência estavam apenas no início e a estrutura de pesquisa ainda estava consolidada. Hoje, seis anos depois de sucessivos cortes no orçamento da ciência, nossa capacidade de resposta ao covid-19 está reduzida. Agências de apoio à ciência sofreram diversas restrições de recurso, mudanças estruturais e sucateamento. Com isso, muitos cientistas deixaram o Brasil, desarticulando grupos de pesquisa e reduzindo a disponibilidade de mão de obra qualificada para enfrentar os efeitos da pandemia no Brasil. Quando cortamos o financiamento destinado a pesquisas e a bolsas de cientistas e futuros cientistas, abrimos mão de nossa capacidade de combater e identificar ameaças.

Agora, com o início da pandemia do coronavírus, a demanda por equipamentos e materiais de consumos utilizados em laboratórios de pesquisa e clínicos aumentou e kits básicos para isolamento do material genético e análises diagnósticas do covid-19 começaram a faltar. Ao destruir as agências de financiamento da Ciência brasileira e atacar as universidades públicas, ficamos cada vez mais dependentes da importação de tecnologias desenvolvidas em outros países e perdemos a capacidade de desenvolver uma indústria tecnológica própria.

Nos próximos anos, muitos outros problemas surgirão: enfrentamos uma crise climática que ameaça nossa segurança hídrica e nossa segurança alimentar, enfrentaremos o surgimento e proliferação de novas doenças, veremos as mudanças sociais provocadas pelas novas formas de trabalho e pelos novas aplicações em Inteligência Artificial. Sem cientistas brasileiros estudando e pensando o nosso país e o mundo, orientando políticas públicas em conjunto aos políticos eleitos e criando novas tecnologias para fortalecer a indústria nacional, perdemos o controle sobre o nosso futuro, abrindo mão de nossa soberania e colocando em risco nossa população.

Os autores

Carlos Takeshi Hotta é professor do Instituto de Química da USP

Luciano Lopes Queiroz é doutorando em Microbiologia do Instituto de Ciência Biomédicas da USP

 

 

Termos de uso

Todos os artigos de opinião já publicados na área aberta da Bori (e que, portanto, não estão sob embargo) podem ser reproduzidos na íntegra pela imprensa, desde que não sofram alterações de conteúdo e que os nomes e instituições dos autores sejam mencionados.

Ao usar as informações da Bori você concorda com nossos termos de uso.

Fonte: Em tempos de pandemia, cortes na ciência são ameaça ainda maior ao povo brasileiro

This Post Has 0 Comments

Comentar

Back To Top