skip to Main Content

Entrecruzamentos – a espera em Bloch, Barthes e Beckett

Entrecruzamentos – A Espera Em Bloch, Barthes E Beckett

Publicado em: Entrecruzamentos – a espera em Bloch, Barthes e Beckett

A expectação para Bloch, o marxista mais romântico e anticientífico de sua geração, é um afeto ativo, produtivo, motivador. Tal ato não resigna, é apaixonado pelo êxito em lugar do fracasso. Quando se espera, é sempre por uma abertura espaçosa de ultrapassagem que nos é oferecida pelo futuro em nossa direção.

“O afeto da espera sai de si mesmo, ampliando as pessoas, em vez de estreitá-las […]” (BLOCH, 2005, 13).

Assim, um dos primeiros exemplos apontados por Bloch na abertura do seu apaixonado e feérico tratado de mil e quinhentas páginas é o alvoroço das crianças dentro de casa quando escutam a campanhia: aquele som a rasgar “a sala silenciosa e oca” é o anúncio da irrupção de algo novo, imprevisto, cheio de possibilidades, avassalador. Um chamado irresistível que vem de fora. Importa é saber esperar.

Mas, a despeito do ato ser o mesmo em qualquer parte e até implicar meios similares, há uma outra espera premente em algum momento da vida de todos nós: a do ser amado. Essa expectativa, que sabe com clareza qual é o seu alvo, apresenta uma modulação de contornos dolorosos em Barthes: a espera é um tumulto de angústia ao sabor dos mais ínfimos atrasos (encontros, telefonemas, cartas, retornos) e parece atingir seu paroxismo no toque do telefone, aparelho que, uma vez solicitado, também provocaria aquele arroubo infantil intuído por Bloch. Aqui, a cada toque, o importuno obstrui o delírio. E pior: sabendo ardentemente o que espera, o sujeito amoroso reconhece o ser amado mesmo na voz do intruso, alucinação que o torna um ser “mutilado que continua a sentir dor na perna amputada” (BARTHES, 2003, 166).

Tanto em Bloch quanto em Barthes, embora operando em “molduras” bem distintas, a espera é um afeto que, longe de passivo e resignado, é ativo e propulsor. Esticando um pouco mais a corda, e com a mesma liberdade com que o próprio Barthes equiparou a angústia da personagem de Schönberg no monodrama Erwartung (1909) – esperando o amante, à noite, na floresta – ao telefonema (a angústia de ambos é a mesma), lembro o desfecho da peça pioneira e mais famosa a tematizar a espera, que surge aqui, paradoxalmente, como o evento por excelência no palco. É o derradeiro diálogo de “Esperando Godot” (1952), sibilino como toda a peça, que parece reiterar a espera como ensejo da jornada de ambos os personagens:

 

“Vladimir:

Então, vamos embora.

Estragon:

Vamos lá.

Não se mexem.” (BECKETT, 2005, 217)

 

 

 


REFERÊNCIAS

BARTHES, Roland. Fragmentos de um discurso amoroso. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BECKETT, Samuel. Esperando Godot. São Paulo: CosacNaify, 2005.

BLOCH, Ernst. O princípio esperança. Vol.1. Rio de Janeiro: EdUERJ; Contraponto, 2005.

 

 

 


Créditos nas imagens:

Ernst Bloch, 13 de janeiro de 1956. Foto: Krueger (Bundesarchiv)

Roland Barthes fotografado por Henri Cartier-Bresson / Magnum, 1963.

Samuel Beckett fotografado por Jane Brown, 1976.

 

 

 

SOBRE O AUTOR

Sérgio Aguiar

Sérgio Aguiar é graduado em História pela Universidade Federal do Ceará, mestre em História Cultural pela PUC-Rio e doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade também pela PUC-Rio. Se dedicou ao estudo da cultura e poesia popular, folclore, romantismo e identidade nacional. Atualmente faz pesquisa na área de literatura pós-holocausto, literatura e catástrofe, trauma, memória e história.

 

SOBRE OS CURADORES

Eduardo Vasconcelos

Eduardo Vasconcelos

Organizador do livro História das Ciências: saberes e práticas em análise publicado pela editora Intermeios. Graduado em História pela Universidade Federal do Ceará – UFC. Mestres pelo Programa de Pós-Graduação em História das Ciência e da Saúde da Fiocruz – Fiocruz/RJ. Doutorando em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS e professor de História da Universidade Estadual de Goiás – UEG.

Ana Lorym Soares

Ana Lorym Soares

Ana Lorym Soares é professora de Teoria da História e Historiografia do Curso de História da UFG, Regional Jataí, desde 2014; é doutora em História pela UFRJ e autora da obra O livro como missão: a publicação de textos psicografados no Brasil dos anos 1940 a 1960, publicado pela editora Gramma em 2018; coordena o NEHL – Núcleo de Estudos em História e Literatura – DGP/CNPq; foi professora da rede de ensino básico do Estado do Ceará entre 2010 e 2014.

Sônia Meneses

Sônia Meneses

Profa. Universidade Regional do Cariri – URCA. Atua na área de História do tempo Presente, História Pública, Teoria da História. Ensino de História, História das Mídias.

Fonte: Entrecruzamentos – a espera em Bloch, Barthes e Beckett
Feed: HH Magazine
Url: hhmagazine.com.br
This Post Has 0 Comments

Comentar

Back To Top