skip to Main Content

Frases e poesias da Língua Uma árvore que cai faz mais barulho do que uma flore…

Publicado em: Frases e poesias da Língua

Uma árvore que cai faz mais barulho do que uma flore…

🗣Frases e poesias da Língua

Uma árvore que cai faz mais barulho do que uma floresta que cresce – Provérbio africano

𝗢𝗹𝗶𝗻𝗱𝗮 𝗕𝗲𝗷𝗮 (𝗦𝗮̃𝗼 𝗧𝗼𝗺𝗲́ 𝗲 𝗣𝗿𝗶́𝗻𝗰𝗶𝗽𝗲)

Olinda Beja nasceu em 1948 na cidade de Guadalupe, em São Tomé e Príncipe. Cedo foi viver para Portugal, onde fez a sua formação, essencialmente centrada nos estudos literários. Mais tarde, viveu temporariamente na Suíça, onde aprofundou a sua formação e lecionou.

Vivendo entre Portugal e São Tomé e Príncipe, Olinda Beja criou uma obra marcadamente ligada à terra-natal, entre o romance, o conto e a poesia, destacando-se também a sua vocação enquanto contadora de histórias. Com obras traduzidas para várias línguas, a produção literária de Olinda Beja apresenta, no entender de Zuleide Duarte, “uma acentuada preferência por temas variados como o amor, universal no seu nascedouro, a natureza, as lendas e mitos de sua ilha e, sobretudo, o sonho e a esperança” (retirado dos prefácios do livro de poemas A Sombra do Oká, edição de 2015).

𝗔̀ 𝗦𝗼𝗺𝗯𝗿𝗮 𝗱𝗼 𝗢𝗸𝗮́
O animismo quase visceral da obra À Sombra do Oká enuncia, desde logo, um fascínio pela simbiose entre os corpos e a Natureza, memorial da experiência da autora enquanto mulher e são-tomense. À primeira vista, esta relação parece ser o motivo geral que inspira a criação literária de todos os poetas; é, porém, a singularidade de cada experiência que realmente define a qualidade e unicidade de uma obra. E Olinda Beja compromete-se a capturar o que de verdadeiro e inefável reside nesse imaginário, tornando-se deliberadamente refém de um deslumbramento onírico e quase delirante. Todo este universo pode ser singelamente traduzido pela figura do Oká (que intitula este livro de poemas), árvore cujo caule e raízes robustas e tortuosas sugerem qualquer coisa de enigmático e inatingível, a não ser através da poesia. À Sombra do Oká, publicado em 2015, recebeu o Prémio Literário Francisco José Tenreiro.

Saibam mais sobre À Sombra do Oká: https://www.museuvirtualdalusofonia.com/galeria/tertulia-com-olinda-beja-a-sombra-do-oka-os-caminhos-aridos-da-mesticagem/

📷: RTP


Venham nesta travessia pela Lusofonia!

#museuvirtualdalusofonia #mvl #uminho #cecs #googleartsandculture #arte #cultura #línguaportuguesa #frasesepoesiasdalíngua


Back To Top