skip to Main Content

O surto de coronavírus (COVID-19) ressalta sérias deficiências na comunicação científica [Publicado originalmente no LSE Impact Blog em março/2020]

O Surto De Coronavírus (COVID-19) Ressalta Sérias Deficiências Na Comunicação Científica [Publicado Originalmente No LSE Impact Blog Em Março/2020]

Por Vincent Larivière, Fei Shu e Cassidy R. Sugimoto

As
grandes crises frequentemente revelam as normas ocultas do sistema
científico, tornando públicas as práticas conhecidas na ciência. O surto de
coronavírus (COVID-19) expõe uma verdade inconveniente sobre a ciência: o atual
sistema de comunicação científica não atende às necessidades da ciência e da
sociedade. Mais especificamente, a crise manifesta duas ineficiências no
sistema de pesquisa: o padrão para a ciência fechada e a ênfase excessiva na
publicação elite, somente em inglês, independentemente do contexto e das
consequências da pesquisa.

Em 31 de
janeiro de 2020, o Wellcome Trust chamou o coronavírus de “ameaça significativa e
urgente à saúde global”1 e apelou a
“pesquisadores, periódicos e financiadores para garantir que os resultados
de pesquisa e os dados relevantes para este surto fossem compartilhados rápida
e abertamente para informar a resposta à saúde pública e ajudar a salvar vidas.”1 Os signatários
desta declaração incluíram os principais publishers — como Elsevier,
Springer Nature e Taylor & Francis — além de vários
financiadores e sociedades científicas. Os signatários conjuntos desta
declaração se comprometeram a abrir imediatamente todas as pesquisas e dados
sobre o surto: em Repositórios de Preprints para os artigos que não haviam
sido revisados pelos pares e em plataformas de periódicos para os artigos que
já haviam sido submetidos à avaliação.

Este é
um passo positivo, mas não vai longe o suficiente para atender às necessidades
do público. Os artigos e capítulos de livros que foram liberados por esta
medida representam apenas uma pequena proporção da literatura disponível sobre
o coronavírus. Segundo o Web of Science (WoS), 13.818 artigos foram
publicados sobre o tema dos coronavírus desde o final da década de 1960. Mais
da metade (51,5%) destes artigos permanece fechada para acesso. O coronavírus é
reconhecidamente uma grande família de vírus e pode-se questionar a relevância
de trabalhos mais antigos para o surto atual. No entanto, como exemplo, os três
artigos sobre COVID-19 publicados na edição de 15 de fevereiro do periódico Lancet
se baseavam em 69 documentos distintos indexados pelo WoS, dos quais 73,2%
estão no conjunto de 13.818 documentos sobre coronavírus. A referência mais
antiga destes artigos é a de 1988, enfatizando o fato de que, embora o coronavírus
possa ser novo, a pesquisa sobre o coronavírus, de fato, se baseia em uma longa
cauda de literatura de pesquisa muito frequentemente fechada.

A inserção desta literatura científica em fluxos muito mais amplos de pesquisa também destaca as limitações desta abordagem. Os 13.818 artigos sobre coronavírus citam mais de 200.000 artigos – de virologia ao câncer e de saúde pública à genética e hereditariedade (Figura 1). Menos de um terço dos artigos citados dos quais os “artigos sobre coronavírus” extraíram informação e inspiração foram outros “artigos sobre coronavírus”. Mesmo que todos os artigos sobre o tema dos coronavírus fossem disponibilizados, isso ainda seria insuficiente para enfrentar a crise, considerando a inerente natureza interdisciplinar da pesquisa biomédica. A base de conhecimento da ciência é simplesmente muito mais ampla do que um único tópico. Ver a literatura através da lente estreita de artigos sobre coronavírus diretamente relevantes para o COVID-19 cega o esforço de pesquisa para outros trabalhos que poderiam ser cruciais. As curas para doenças geralmente vêm de novas combinações e insights de várias áreas de pesquisa. Se o objetivo da abertura da pesquisa é promover a ciência e servir à sociedade, toda a pesquisa deve ser aberta, não apenas uma parte dela.

Figura 1. Percentual de referências citadas pelos artigos sobre coronavírus, por especialidade dos periódicos citados. Classificação de campo e subcampo da NSF 1988-2018.

Os
incentivos à publicação são outro elemento polêmico revelado pelo atual surto.
Na última década, autoridades e instituições chinesas — como as de muitos
outros países — ofereceram recompensas financeiras diretas com base no
periódico em que os pesquisadores publicam, com um objetivo implícito de
melhorar a posição de suas instituições nos rankings internacionais. Invariavelmente, publicar nestes periódicos implica em
conformidade com a língua franca — inglês — e publicar tópicos importantes para
os gatekeepers destes periódicos, que
são desproporcionalmente provenientes dos
países ocidentais. Embora a disseminação para a comunidade científica em geral
seja um objetivo importante, ela não deve vir às custas da disseminação para as
comunidades locais, particularmente aquelas
com conexão direta ao tópico de estudo. Devido às paywalls e ao uso do
inglês, os periódicos internacionais geralmente são inacessíveis para aqueles
na linha de frente global de prestação de cuidados médicos e elaboração de
políticas de saúde, especialmente em tempos de crise.

O atual surto de coronavírus exemplifica esta deficiência. No final de 2019, o Centro Chinês de Controle e Prevenção de Doenças (CCDCP) enviou um grupo de especialistas a Wuhan para recuperar dados sobre o vírus. Isso ocorreu quase três semanas depois que o primeiro paciente apresentou sintomas e imediatamente após as notícias da transmissão entre humano nas mídias sociais por oito médicos de Wuhan (que foram posteriormente acusados pela polícia). Os pesquisadores analisaram os dados e enviaram os resultados – incluindo uma verificação da transmissão entre humano do vírus – para os mais prestigiosos periódicos ocidentais, The Lancet e o New England Journal of Medicine (NEJM), publicados em 24 e 29 de janeiro, respectivamente. Em 20 de janeiro, foi divulgada uma declaração pública, reconhecendo a transmissão do vírus de um ser humano para outro.

Figura 2. Número de artigos sobre vigilância de doenças publicados por pesquisadores chineses em periódicos internacionais (WoS) e em periódicos nacionais (CNKI). Após a epidemia de SARS em 2003, a importância da pesquisa em vigilância de doenças na China aumentou exponencialmente.

Em
resposta, o governo chinês estipulou que os projetos financiados sobre
coronavírus – incluindo os da nova iniciativa de US$ 1,5 milhão da Fundação
Nacional de Ciência da China (NSFC) – deveriam ser publicados em periódicos
locais da China e não em periódicos internacionais, e que a ênfase deveria ser
para controlar o
vírus e salvar vidas. Isso sugere um reconhecimento
por parte do governo chinês de que o foco na publicação em periódicos de elite
não é o modo mais rápido de disseminar resultados. Além disso, o Ministério da
Educação (MoE) e o Ministério da Ciência e Tecnologia (MoST) emitiram uma
declaração conjunta exigindo que as universidades e instituições de pesquisa
limitem o uso de documentos do Science Citation Index do WoS (SCI), bem
como indicadores relacionados (por exemplo, JIF, ESI, etc.) em avaliação
de pesquisa. O MoE também estipulou que o número de
artigos não pode ser usado como critério-chave para avaliar o desempenho
da pesquisa e baniu
o uso de políticas de pagamento-por-publicação.
Todas estas iniciativas apontam para uma verdade subjacente: priorizar
indicadores ao invés da entrega oportuna de resultados de pesquisas às
comunidades relevantes não está no melhor interesse da sociedade.

Os
signatários da declaração do Wellcome Trust concordam em seguir estes
princípios não apenas para o surto atual, mas para todas as situações no futuro
“em que haja um benefício significativo à saúde pública para garantir que
os dados sejam compartilhados ampla e rapidamente”1. Esta afirmação
faz uma ligação direta entre a saúde pública e o compartilhamento dos
resultados de pesquisa: argumentar implicitamente que as paywalls e os
embargos de periódicos impedem o avanço da ciência e, como resultado, são uma
ameaça à saúde pública. No entanto, também levanta a questão: onde se traça a
linha do que constitui um “benefício de saúde pública”? Nos últimos cinco
meses, o Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos estimou que havia
entre 18.000 e 46.000 mortes relacionadas à gripe. Não é verdade que se trata
de um benefício para a saúde pública tornar pública a pesquisa neste tópico e todas
as pesquisas que poderiam acelerar as descobertas em biomedicina e salve vidas?

Apelamos
à comunidade científica – publishers, financiadores e sociedades – para
que se mantenham fiéis à sua palavra. A declaração do Wellcome Trust é
inequívoca: o compartilhamento rápido da pesquisa é necessário para informar o
público e salvar vidas. Enquanto aplaudimos o trabalho que está sendo realizado
em meio a esta crise, esperamos que este momento sirva como catalisador de
mudanças. O governo Trump nos Estados Unidos, por exemplo, está considerando
uma ordem executiva que tornaria todos os estudos financiados pelo governo
federal livres para ser lidos na publicação. Da mesma forma, a coalizão
de financiadores do Plano S exige que toda a
pesquisa financiada seja publicada em periódicos de acesso aberto. Embora
muitas agências de fomento adotem políticas de acesso aberto, a conformidade é variável e os embargos atualmente limitam o acesso
imediato à pesquisa biomédica. Tanto a ordem executiva em potencial quanto o
Plano S foram contestados por muitos dos
signatários na declaração do Wellcome Trust. Esta é uma flagrante contradição.

Os signatários da declaração do Wellcome Trust devem estender os princípios para abranger todas as suas práticas: disponibilizar a pesquisa imediatamente e incentivar a comunicação científica a todas as partes interessadas. A resposta científica ao COVID-19 demonstrou alguns dos benefícios da abertura do sistema científico: incluindo a torrente de artigos sendo imediatamente compartilhados em servidores de preprints, a colaboração e discussão abertas de cientistas que usam plataformas de mídias sociais e o sequenciamento acelerado do genoma do vírus. No entanto, isso terá sido em vão se o sistema científico não mudar. É essencial reconhecer o que ficou claro neste momento de crise: um sistema científico robusto e uma cidadania informada requerem acesso público e imediato à pesquisa.

Nota

1. CARR, D. Sharing research data and findings relevant to the novel coronavirus (COVID-19) outbreak [online]. Wellcome Trust. 2020 [viewed 12 March 2020]. Available from: https://wellcome.ac.uk/press-release/sharing-research-data-and-findings-relevant-novel-coronavirus-covid-19-outbreak

Referências

BRANTE, T., FULLER, S. and LYNCH, W. (ed.). Controversial Science: From Content to Contention. New York: Suny Press, 1993.

CARR, D. Sharing research data and findings relevant to the novel coronavirus (COVID-19) outbreak [online]. Wellcome Trust. 2020 [viewed 12 March 2020]. Available from: https://wellcome.ac.uk/press-release/sharing-research-data-and-findings-relevant-novel-coronavirus-covid-19-outbreak

COHEN, E. CDC advisers concerned about lack of basic information about new Wuhan coronavirus [online]. CNN. 2020 [viewed 12 March 2020]. Available from: https://edition.cnn.com/2020/01/23/health/wuhan-coronavirus-cdc-advisers/index.html

HUANG, C., et al. Clinical features of patients infected with 2019 novel coronavirus in Wuhan, China. The Lancet [online]. 2020, vol. 395, no. 10223, pp. 497-506 [viewed 12 March 2020]. DOI: 10.1016/S0140-6736(20)30183-5. Available from: https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(20)30183-5/fulltext

KUPFERSCHMIDT, K. ‘A completely new culture of doing research.’ Coronavirus outbreak changes how scientists communicate [online]. Science Magazine. 2020 [viewed 12 March 2020]. Available from: https://www.sciencemag.org/news/2020/02/completely-new-culture-doing-research-coronavirus-outbreak-changes-how-scientists

LARIVIÈRE, V. and SUGIMOTO, C. Do authors comply when funders enforce open access to research? [online]. Nature. 2018 [viewed 12 March 2020]. DOI: 10.1038/d41586-018-07101-w. Available from: https://www.nature.com/articles/d41586-018-07101-w

LARIVIÈRE, V. and WARREN, J.P. Introduction: The Dissemination of National Knowledge in an Internationalized Scientific Community. Canadian Journal of Sociology [online]. 2019, vol. 44, no. 1, pp. 1-8 [viewed 12 March 2020]. DOI: 10.29173/cjs29548. Available from: https://journals.library.ualberta.ca/cjs/index.php/CJS/article/view/29548

LI, Q., et al. Early Transmission Dynamics in Wuhan, China, of Novel Coronavirus–Infected Pneumonia. New England Journal of Medicine [online]. 2020 [viewed 12 March 2020]. DOI: 10.1056/NEJMoa2001316. Available from: https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa2001316?fbclid=IwAR09PK6_BYHU0JBexWdZ5uelRquXbkWUTUJGL2yNLcbXqzxHI2udLwEwg3E

MALLAPATY, S. China bans cash rewards for publishing papers [online]. Nature. 2020 [viewed 12 March 2020]. DOI: 10.1038/d41586-020-00574-8. Available from: https://www.nature.com/articles/d41586-020-00574-8

McKAY, J. Coalition of 135+ scientific research and publishing organizations sends letter to administration [online]. Association of American Publishers. 2019 [viewed 12 March 2020]. Available from: https://newsroom.publishers.org/researchers-and-publishers-oppose-immediate-free-distribution-of-peer-reviewed-journal-articles/

QUAN, W., CHEN, B. and SHU, F. Publish or impoverish: An investigation of the monetary reward system of science in China (1999-2016). Aslib Journal of Information Management [online]. 2017, vol. 69, no. 5, pp. 486-502 [viewed 12 March 2020]. DOI: 10.1108/AJIM-01-2017-0014. Available from: https://www.emerald.com/insight/content/doi/10.1108/AJIM-01-2017-0014/full/html

QUAN, W., CHEN, B. and SHU, F. Publish or impoverish: An investigation of the monetary reward system of science in China (1999-2016). arXiv [online]. 2017 [viewed 12 March 2020]. DOI: 10.1108/AJIM-01-2017-0014. Available from: https://arxiv.org/abs/1707.01162

SHU, F., et al. The role of Web of Science publications in China’s tenure system. Scientometrics [online]. 2020, vol. 122, no. 3, pp. 1683-1695 [viewed 12 March 2020]. DOI: 10.1007/s11192-019-03339-x. Available from: https://link.springer.com/article/10.1007%2Fs11192-019-03339-x

SUBBARAMAN, N. Rumours fly about changes to US government open-access policy [online]. Nature. 2019 [viewed 12 March 2020]. DOI: 10.1038/d41586-019-03926-1. Available from: https://www.nature.com/articles/d41586-019-03926-1

UZZI, B., et al. Atypical Combinations and Scientific Impact. Science [online]. 2012, vol. 342, no. 6157, pp. 468-472 [viewed 12 March 2020]. DOI: 10.1126/science.1240474. Available from: https://science.sciencemag.org/content/342/6157/468.full

VAN NOORDEN, R. Interdisciplinary research by the numbers [online]. Nature. 2015 [viewed 12 March 2020]. DOI: 10.1038/525306a. Available from: https://www.nature.com/news/interdisciplinary-research-by-the-numbers-1.18349

WANG, C., et al. A novel coronavirus outbreak of global health concern. The Lancet [online]. 2020, vol. 395, no. 10223, pp. 470-473 [viewed 12 March 2020]. DOI: 10.1016/S0140-6736(20)30185-9. Available from: https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(20)30185-9/fulltext

教育部 科技部印发《关于规范高等学校 SCI论文相关指标使用 树立正确 评价导向的若干意见》的通知 [online]. Ministry of Education of the People’s Republic of China. 2020 [viewed 12 March 2020]. Available from: http://www.moe.gov.cn/srcsite/A16/moe_784/202002/t20200223_423334.html

武汉8名散布肺炎疫情谣言者被查处 [online]. people.cn. 2020 [viewed 12 March 2020]. Available from: http://leaders.people.com.cn/n1/2020/0102/c58278-31531814.html

科技部印发《关于破除科技评价中“唯论文”不良导向的若干措施(试行)》的通知 [online]. Ministry of Science and Technology of the People’s Republic of China. 2020 [viewed 12 March 2020]. Available from: http://www.most.gov.cn/mostinfo/xinxifenlei/fgzc/gfxwj/gfxwj2020/202002/t20200223_151781.htm

科技部提出:科研人员要勇挑重担,全力投入科技攻关任务,把论文写在抗击疫情的第一线 [online]. Ministry of Science and Technology of the People’s Republic of China. 2020 [viewed 12 March 2020]. Available from: http://www.most.gov.cn/kjbgz/202001/t20200129_151264.htm

Links externos

Plan S and cOAlition S <https://www.coalition-s.org/>

Sobre Vincent Larivière

Vincent Larivière é professor de ciência da
informação na Universidade de Montreal, onde ele ocupa a Canada Research Chair
on the Transformations of Scholarly Communication
. Ele também é diretor científico da Érudit e diretor científico associado do
Observatoire des Sciences et des Technologies
(OST-CIRST).

Sobre Fei Shu

O Dr Shu é pesquisador sênior da Chinese Academy of Science and Education Evaluation na Hangzhou Dianzi University; ele também trabalha na École de Bibliothéconomie et des Sciences de l’Information, na Universidade de Montreal como pesquisador associado. Sua pesquisa se concentra na bibliometria e na comunicação científica, especialmente no impacto das políticas científicas nas atividades de pesquisa.

Sobre Cassidy Sugimoto

Cassidy Sugimoto é Professora de Informática na School of Informatics, Computing, and Engineering na Indiana University Bloomington. Atualmente, ela também está temporariamente com a National Science Foundation como Diretora do Programa de Science of Science and Innovation Policy (SciSIP). A especialidade da pesquisa de Sugimoto está amplamente situada nos domínios da política científica, comunicação científica e cienciometria.

Artigo original em inglês

https://blogs.lse.ac.uk/impactofsocialsciences/2020/03/05/the-coronavirus-covid-19-outbreak-highlights-serious-deficiencies-in-scholarly-communication/

Traduzido do original em inglês por Lilian Nassi-Calò.

LARIVIÈRE, V., SHU, F. and SUGIMOTO, C. O surto de coronavírus (COVID-19) ressalta sérias deficiências na comunicação científica [Publicado originalmente no LSE Impact Blog em março/2020] [online]. SciELO em Perspectiva, 2020 [viewed ]. Available from: https://blog.scielo.org/blog/2020/03/12/o-surto-de-coronavirus-covid-19-ressalta-serias-deficiencias-na-comunicacao-cientifica/



Fonte: O surto de coronavírus (COVID-19) ressalta sérias deficiências na comunicação científica [Publicado originalmente no LSE Impact Blog em março/2020]

This Post Has 0 Comments

Comentar

Back To Top