Skip to content

Indagações de Poeta | HH Magazine

Publicado em: Indagações de Poeta | HH Magazine

Eu vim da safra de poetas loucos

De areia fiz

O meu baluarte

Peregrino adentro de meus labirintos

Espinho indolor,

Ora incolor,

Ora sou arte.

 

Eu nunca aprendi a dizer adeus

Eu minto que me acostumei com a solidão

Coleciono palavras que nunca foram ditas

E finjo aceitar, a sua razão.

 

Será que estou mesmo neste tempo?

Será que na infância eu não morri?

Por onde andará aquela criança que adentrava nos livros,

E quem é esta que outrora deixou aqui?

 

O que é que eu tenho que eu não sei achar?

Porque acho coisas que nunca procurei?

Onde é o meu lar, que eu não fui morar?

Onde é o meu destino que não avistei.

 

Sou lareira acesa em madrugada fria

Sou pássaro sem ninho sempre atrás da flor

Eu falo de coisas que nunca vivi

E ainda ousam chamar-me de escritor.

 

Eu sou um girassol que nasceu no asfalto

Eu canto em noites que não tem luar

Será que sou louco, ou apenas um tolo?

Ou serei eu um poeta que não soube amar?

 

Eu sou um poeta…?

 

 

 


Créditos na imagem: Pinterest

 

 

 

SOBRE A AUTORA

Fonte: Indagações de Poeta | HH Magazine
Feed: HH Magazine
Url: hhmagazine.com.br
Back To Top