skip to Main Content

Nota de pesar pelo falecimento de Jorge Sampaio | Notícias

Publicado em: Nota de pesar pelo falecimento de Jorge Sampaio | Notícias

O Instituto de História Contemporânea associa-se às manifestações de luto e pesar pela morte de Jorge Sampaio, figura marcante e ímpar na nossa história recente.

Jorge Fernando Branco de Sampaio (1939-2021) teve um percurso cívico e político notáveis, desde a da crise académica do princípio dos anos 1960, à defesa dos presos políticos do Estado Novo, até à ocupação dos mais altos cargos políticos nacionais — foi presidente da Câmara Municipal de Lisboa (1990-1995) e Presidente da República (1996 e 2006).

Contudo, gostaríamos de realçar o seu papel na criação da Plataforma Global para os Estudantes Sírios, em 2013, para contribuir com uma resposta à emergência criada pela guerra na Síria. Em 2015, recebeu o Prémio Nelson Mandela, em reconhecimento das “décadas de serviço público à comunidade internacional”.

Em 2017, numa homenagem a José Medeiros Ferreira organizada pelo IHC, essa continuava a ser uma preocupação central da sua acção pública: “Hoje, quando olho para a tragédias dos refugiados, as fronteiras fechadas e defendidas com arames farpados e toda a espécie de barreira; quando alguns esgrimem razões contra a vontade de apoiar e proporcionar formação superior aos jovens deslocados pela força, devido a perseguições, conflitos e guerras, não deixo nunca de pensar nos portugueses da minha geração para quem o exílio representou protecção, segurança e uma ocasião de aperfeiçoamento profissional e que, logo após o 25 de Abril, formaram parte da nova geração de líderes do Portugal democrático.”

Também nessa ocasião, com a saúde já fragilizada, mostrou a sua perspectiva sobre a vida e morte: “Saímos do nada e voltamos para o nada. Entre estes dois pontos estende-se o acto da vida. Todos sabemos que é assim, mas como quase nunca sabemos a cronologia dos acontecimentos, pensamos mais no dia de amanhã do que no do fim.”

Até sempre.

 

Imagem: Jorge Sampaio, em entrevista à Antena 1, em 2012. (Crédito: RTP)

 

This Post Has 0 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back To Top