skip to Main Content

Farândola | HH Magazine

Publicado em: Farândola | HH Magazine

 

Abri a janela dos olhos

Vi um arco-íris emoldurado

Vento forte, nimbos formando torres

Vaca deitada na grama, seriema piando repetido

Cigarra tocando trombeta, grilos cricrilando fino

Será que chove?

Com mais esse mormaço, bem capaz

As coisas e os seres em conluio se organizavam

Grilo, vaca, cigarra, seriema, vento, nuvem, arco-íris, mormaço

Bailarinos vivos, bem-dispostos, se deram as mãos, puseram-se enfileirados

E começaram a farândola, saltitando animados, serpenteando pra lá e pra cá

Vem dançar conosco, gritaram! Vamos, rapaz, que a vida é folia, movimento, alegria

De cá, da janela dos olhos, agradeci, mas recusei o convite, limitei-me a pasmar

O folguedo das coisas e dos seres dançando e chamando chuva

É que desanimei com as festanças

Perdi o traquejo, esqueci como se dança

Ademais, quanto à chuva, sei que pra mim, será módica

Aquelas velhas tempestades, cheias, bátegas, entusiasmadas

Essas já desapareceram, essas não mais virão

Quero os pingos esparsos, compactos, nutritivos

Esses permaneceram, esses me bastarão.

 

 

 


Créditos na imagem: Divulgação. La Farandole Des Pimperlots. Didier Hamey (2012)

 

 

 

SOBRE O AUTOR

Luciano Alberto De Castro

Luciano de Castro é mineiro de Teófilo Otoni, cruzeirense, dentista e professor da Universidade Federal de Goiás. “Mora em Goiânia. Paralelamente à docência, dedica-se à música e literatura, atuando como compositor, cronista, contista e poeta. O autor se considera um apaixonado pelas várias formas de arte, pela história do Brasil, pelas plantas e passarinhos. Atualmente, colabora para algumas revistas e jornais brasileiros e prepara material para o seu primeiro livro.”

Fonte: Farândola | HH Magazine
Feed: HH Magazine
Url: hhmagazine.com.br

This Post Has 0 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back To Top