skip to Main Content

Who Cares? Reflexões sobre Masculinidades, Paternidades e Cuidado

Resumo


Dados do Relatório sobre a Situação da Paternidade no Mundo 2019 , o terceiro relatório deste tipo da autoria da organização internacional Promundo , mostram que globalmente, homens e mulheres partilham ainda de forma não equitativa a divisão do trabalho de cuidado, entendido como trabalho doméstico e de cuidado não remunerado desenvolvido tanto em casa como na comunidade. Este desequilíbrio afeta negativamente não apenas homens, mulheres e crianças, mas também as dinâmicas de género e a própria economia.

A convite do projeto europeu PARENT – Promoção, Sensibilização e Envolvimento de Homens nas Transformações do Cuidado, Gary Barker, fundador e Presidente do Promundo, apresentará as principais conclusões e recomendações deste estudo global que vai já no terceiro número – lançado em 2015  e em 2017  globalmente, sendo o CES-UC e o Promundo Portugal autores do Relatório sobre a Situação da Paternidade Envolvida e Não-Violenta em Portugal (2016). Tatiana Moura (CES/Promundo Portugal) comentará a sessão.



Notas biográficas


Gary Barker – PhD, is a leading global voice in engaging men and boys in advancing gender equality and positive masculinities. He is the CEO and founder of Promundo, which has worked for 20 years in more than 40 countries. Beginning in low-income areas of Rio de Janeiro, Brazil, Promundo’s approaches have been incorporated into ministries of health and education around the world. Promundo is a Global Consortium with members in Brazil, the US, Democratic Republic of the Congo and Portugal. Gary is co-founder of MenCare, a global campaign working in 45 countries to promote men’s involvement as caregivers, and co-founder of MenEngage, a global alliance of more than 700 NGOs. He co-created and leads the International Men and Gender Equality Survey (IMAGES), the largest-ever survey of men’s attitudes and behaviors related to violence, fatherhood, and gender equality. He is a co-author of the 2015 and 2017 State of the World’s Fathers reports. He has advised the UN, the World Bank, numerous national governments, and key international foundations and corporations on strategies to engage men and boys in promoting gender equality. In 2017 he was named by Apolitical as one of the 20 most influential people in gender policy around the world. He is an Ashoka Fellow and received the Voices of Solidarity Award from Vital Voices for his work to engage men for gender equality. He holds a PhD in Developmental Psychology.


Tatiana Moura – feminista, é Investigadora Permanente do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (Núcleo de Humanidades, Migrações e Estudos para a Paz) desde 2004, Coordenadora do Promundo Portugal desde 2014 e Diretora Associada do Instituto Maria e João Aleixo (Maré, Rio de Janeiro, Brasil) desde Março de 2018. Entre 2011 e 2019 foi Diretora Executiva do Instituto Promundo (Rio de Janeiro, Brasil), uma ONG internacional com escritórios no Brasil; EUA, República Democrática do Congo e Portugal que trabalha a nível nacional e internacional no envolvimento de homens e rapazes na igualdade de género. Entre 2000 e 2004 foi Investigadora Junior do Centro de Estudos Sociais (Núcleo de Estudos para a Paz – NHUMEP). Licenciada em Relações Internacionais pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, tem o grau de Mestre em Sociologia pela mesma Faculdade e é Doutorada em Paz, Conflitos e Democracia pela Universidade Jaume I, Espanha. Os seus interesses de investigação centram-se em questões relacionadas com feminismo das Relações Internacionais, masculinidades, violência urbana e novíssimas guerras. Nos últimos quinze anos tem coordenado projectos sobre masculinidades, juventude e violências e trajetórias de não violência em contextos periféricos, em particular na América Latina. Publicou, em 2005, Entre Atenas e Esparta. Mulheres, Paz e Conflitos Armados, Coimbra: Quarteto Editora; em 2007, Rostos Invisíveis da Violência Armada. Um Estudo de Caso sobre o Rio de Janeiro, Rio de Janeiro: 7Letras; em 2009, Auto de Resistência. Relatos de familiares de vítimas da violência armada; em 2010 Novissimas Guerras. Espacos, Identidades e Espirais da Violencia Armada, Coimbra: Almedina; em 2013, “Missed Connections: Representations of Gender, (Armed) Violence and Security in Resolution 1325”, RCCS Annual Review, 5, 3-31 (com Sílvia Roque e Rita Santos) e em 2016, Violência e armas de fogo em Portugal, organizado com Rita Santos e José Manuel Pureza (Editora Almedina).

 

Fonte: Who Cares? Reflexões sobre Masculinidades, Paternidades e Cuidado

This Post Has 0 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back To Top